[Leitura do Rapadura] Nada de Maconheiros em Minha Nave!



Minhas memórias remotas sobre Jornada nas Estrelas são poucas. Lembro de ver na TV algumas vezes, mas não ficar tão empolgado. Não era algo de que eu me desabalasse para assistir quando começava. Meu apreço por Star Trek foi bem gradativo, tendo uma guinada ali pelo primeiro longa-metragem e disparando depois de A Nova Geração. Ainda assim nunca pude ser considerado um grande fã. Mas, eu respeitava Jornada nas Estrelas. Tinha aquela reverência que, creio eu, ela causa, ou ao menos, deveria causar. 

Digo tudo isso para deixar claro que não sei grande coisa sobre a série clássica, somente o básico. E neste básico está incluído algo que pairava como uma espécie de senso comum ligado a Jornada nas Estrelas, que era o fato de Cidade à Beira da Eternidade ser o melhor episódio da série clássica. Era um conhecimento que poderia estar errado justamente por eu não ser nenhum expert no seriado. 

Pulamos então para uma das minhas visitas à Saraiva Mega Store. Estou lá, apenas vagando entre livros e HQs, quando vejo a edição de 2014, Jornada nas Estrelas - Cidade à Beira da Eternidade, à venda. Na capa, embaixo, estava escrito "Roteiro Original de Harlan Ellison". Logo entendi que aquela HQ trazia o roteiro original do autor de ficção-científica, sem as modificações que sofreu por ordem de Gene Rodenberry. 

Eu nem mesmo lembrava mais como eraa aa história original, já que devo ter assistido isso lá pelo fim dos anos 70, quando Jornada nas Estrelas passava na Bandeirantes, se não estou enganado. Mas, eu fiquei curioso e, depois de abrir e ver as ilustrações, tive certeza que devia levar. 

Como eu disse, é a adaptação para os quadrinhos do roteiro sem modificações de Harlan Ellison. Rodenberry não queria algumas coisas do roteiro de Ellison que, segundo ele, não teriam recursos paraa filmar. Porém, o que mais emputeceu Rodenberry, foi Ellison colocar um traficantes de drogas - que seria o vilão do episódio - em sua nave. 

O criador da série alegava que, naquele futuro, tais vícios já estariam superados, o que faz realmente sentido. Mas, ao mesmo tempo, o roteiro deixa claro que a nave está presa a dois anos em uma área que afetou os tripulantes, mudando-os. O vício em drogas poderia ser uma dessas mudanças, bem como a venda. Mas, Roddenbery era o chefe e as mudanças foram feitas. 

Porém, a estrutura é basicamente a mesma: alguém vai parar no passado da Terra, na década de 30, durante a Grande Depressão, o que altera o futuro. Kirk e Spock vão atrás da pessoa para tentar ajeitar as coisas. Mas, acaba que Kirk se envolve romanticamente justamente com a pessoa que é o ponto central das mudanças temporais. 

Enquanto no roteiro de Ellison era o traficante que viajava para o passado, no episódio filmado foi McKoy, que passa por algum tipo de surto. 

As ilustrações realistas pintadas por J. K. Woodward dão a sensação de estarmos assistindo a um episódio ali mesmo, na HQ, o que torna a experiência muito mais imersiva (uia, gourmetizei). Mas, claro, a experiência para um fã mais envolvido com Jornada nas estrelas será bem mais interessante. 

Para maiores detalhes sobre a polêmica em torno do episódio e sobre a história e as mudanças nela, leia ESTE artigo que é bem mais embasado do que eu jamais seria. 



Comentários

  1. Este episódio é fantástico ... Kirk, ao voltar no tempo e, acidentalmente, impede a morte de uma mulher .. Esta mulher é pacifista e, por não ter morrido (Kirk a salvou), continuaria sua cruzada pacifista e atrasa a entrada dos Estados Unidos na 2ª Guerra Mundial .. Este atraso faz com que a Alemanha ganhe a guerra ... E, obviamente, muda o futuro ... Kirk acaba se apaixonando por esta mulher .... Só que o futuro, como aconteceu, precisa que esta mulher morra ... Um conflito ético inserido em minutos em um seriado dos anos 60 ...

    ResponderExcluir
  2. Na realidade quem impede que a mulher morra é McKoy, e Kirk e Spock usam o Guardião da Eternidade para voltar no tempo e consertar o que foi feito, e impedir que McKoy salve Edith Keeler a pacifista que, se ficasse viva, adiaria a entrada dos EUA na 2a Guerra Mundial, o que faria com que a Alemanha ganhasse a guerra pois conseguiria completar o desenvolvimento da bomba atômica. É interessante notar que esse roteiro poderia ser o principio do "The Man in the High Castle", Philip K. Dick ...

    ResponderExcluir

Postar um comentário